site de poesias coligidas de
F E R N A N D O   P E S S O A
http://www.fpessoa.com.ar

<<Voltar-Volver>>


On An Ankle

A sonnet bearing the imprimatur of the inquisitor-general and other people of distinction and decency.
Soneto com as licenças necessárias do inquisidor-mor e de outra gente de algo e de decência.
Soneto con las improntas del inquisidor-general y de otra gente de distinción y decencia.


I had a revelation not from high,
But from below, when thy skirt awhile lifted
Betrayed such promise that I am not gifted
With words that may that view well signify.

And even if my verse that thing would try,
Hard were it, if that word came to be sifted,
To find a word that rude would not have shifted
There from the cold hand of Morality.

The gaze is nought; mere sight no mind hath wrecked.
But oh! sweet lady, beyond what is seen
What things may guess or hint at Disrespect?!

Sacred is not the beauty of a queen...
I from thine ankle did as much suspect
As you from this suspect what I mean.
(*)Revelação eu tive, e não do Alto,
Mas sim de baixo, quando o teu vestido
Traiu uma tal promessa, soerguido,
Que dons não tenho pra significá-la.

Tentasem versos meus matéria tal,
Difícil era, o esforço conseguido,
Achar um termo que não fora tido
Por longe de mão fria da Moral.

Que olhar é nada; em ver não se treslê.
Mas, bela dama, além do que se vê
Que coisas adivinha um atrevido?!

De uma rainha não é sacro o belo...
Eu tanto suspeitei do tornozelo
Quão tu suspeitarás o que eu não digo.
Tuve una revelación no desde lo elevado,
Pero sí desde abajo, cuando tu vestido levantado
Reveló tal promesa que yo no soy obsequiado
A con buenas palabras referir.

Y si mis versos intentaran eso,
Dificil sería, si tal palabra viniera a ser examinada,
Para encontrar la difícil que no ha sido
Desde la fría mano de la Moralidad.

La contempación es nada; mera visión sin intención ruinosa.
¡Pero oh! dulce dama, más alla de lo visible
¡¿Qué cosas adivinan o desenmascaran el Atrevimiento?!

La belleza de una reina no es sagrada...
Tanto sospeché de tu tobillo
Como sospechas lo que doy a entender.
Poemas Ingleses
Fernando Pessoa
1907?

(*) N.d.E: Traduzido por Jorge de Sena.

©2005-02-03 by Sebastián Santisi, all rights reserved.


<<Voltar-Volver>>


www.fpessoa.com.ar