site de poesias coligidas de
F E R N A N D O   P E S S O A
http://www.fpessoa.com.ar

<<Voltar-Volver>>


Não Só Vinho
Não só vinho, mas nele o olvido, deito
Na taça: serei ledo, porque a dita
É ignara. Quem, lembrando
Ou prevendo, sorrira?
Dos brutos, não a vida, senão a alma,
Consigamos, pensando; recolhidos
No impalpável destino
Que não 'spera nem lembra.
Com mão mortal elevo à mortal boca
Em frágil taça o passageiro vinho,
Baços os olhos feitos
Para deixar de ver.
No sólo vino, pero en él lo olvido, dejo
En la copa: seré ledo, porque la dicha
Es ignara. ¿Quién, recordando
O previendo, sonriera?
De los brutos, no la vida, sino el alma,
Consigamos, pensando; recogidos
En el impalpable destino
Que no 'spera ni recuerda.
Con la mano portal elevo a la mortal boca
En fragil copa el pasajero vino,
Opacos los ojos hechos
Para dejar de ver.
Odes De Ricardo Reis
Ricardo Reis

©2005-04-23 by Sebastin Santisi, all rights reserved.


<<Voltar-Volver>>


www.fpessoa.com.ar